Data for Good: Novas ferramentas para ajudar pequenos negócios e comunidades durante a pandemia da COVID-19

Por Laura McGorman, gerente de Políticas Públicas, e Alex Pompe, gerente de Pesquisa de Políticas Públicas, do Data for Good

Pequenos negócios e pessoas em todo o mundo estão sofrendo perdas financeiras devastadoras devido à pandemia da COVID-19, e as instituições públicas precisam de informações em tempo real sobre como ajudar. Hoje, o Facebook está lançando quatro novos conjuntos de dados para ajudar a apoiar a recuperação econômica por meio de nosso programa Data for Good.

Pesquisadores estimam que, nos próximos cinco anos, a economia global poderá sofrer mais de US$ 80 trilhões em perdas devido a COVID-19. As pequenas empresas, em particular, estão sendo duramente atingidas — nosso Relatório Global sobre a Situação das Pequenas Empresas descobriu que mais de uma em cada quatro havia fechado suas portas em 2020. Os governos em todo o mundo estão procurando distribuir ajuda financeira de forma eficaz, bem como prever com precisão quando e como as economias irão se recuperar. Esses quatro novos conjuntos de dados — Tendências de Atividade Econômica, Zonas de Deslocamento, Percepções Econômicas e Pesquisa Sobre o Futuro das Empresas — ajudarão pesquisadores, organizações sem fins lucrativos e autoridades locais a identificar quais áreas e empresas podem precisar de mais apoio.

Tendências de atividade econômica

Muitos fatores influenciam o impacto da pandemia nas economias locais, em todo o mundo. No entanto, as informações em tempo real sobre a atividade econômica são escassas, deixando as instituições que buscam fornecer ajuda econômica com informações limitadas sobre como distribuí-las. Para endereçar essas lacunas de informação, fizemos uma parceria com a Universidade de Bristol para agregar informações das Páginas de negócios do Facebook para estimar a mudança na atividade de empresas locais ao redor do mundo e como elas respondem e se recuperam de crises ao longo do tempo.

O gráfico acima mostra a queda nas publicações nas Página de negócios no Facebook em cidades do Reino Unido, no dia seguinte ao anúncio de medidas de bloqueio pelo primeiro-ministro. As Tendências de Atividades Econômicas podem ser usadas para determinar como as empresas estão reagindo às políticas de contenção da COVID-19 locais.

“Determinar se as pequenas e médias empresas estão abertas é muito importante para avaliar a recuperação após eventos como a obrigatoriedade de medidas de isolamento”, disse a Dra. Flavia De Luca, Professora Sênior de Engenharia Estrutural e Terremotos na Universidade de Bristol. “A forma tradicional de coletar essa informação, como pesquisas e entrevistas, costuma ser cara, demorada e não escalável. Ao usar informações em tempo real do Facebook, esperamos tornar mais fácil para as instituições públicas responder melhor a esses eventos”.

Zonas de Deslocamento

O local onde as pessoas moram revela apenas parcialmente onde elas passam o tempo — as pessoas frequentemente fazem compras em cidades vizinhas ou se deslocam para trabalhar além das fronteiras estaduais. Esses fatores influenciam onde as pessoas gastam dinheiro, o que, por sua vez, determina como as economias se recuperam das crises. Para entender melhor como as áreas econômicas diferem das fronteiras administrativas tradicionais, construímos Zonas de Descolamento internacionais, que são áreas onde as pessoas passam a maior parte do tempo. Universidades e instituições públicas têm construído zonas semelhantes para os Estados Unidos, e nossa versão global pode ajudar os pesquisadores a entender melhor como as áreas geográficas podem se recuperar com base na mudança dos padrões de deslocamento e viagens.

As zonas de deslocamento do Facebook no Brasil mostram onde as pessoas passam a maior parte do tempo e como isso difere dos limites administrativos tradicionais. As Zonas de Deslocamento podem ajudar a identificar áreas de atividade econômica e como elas se recuperam de crises.

Percepções Econômicas da Pesquisa de Sintomas

No início deste ano, lançamos uma Pesquisa de Sintomas da COVID-19 global, em mais de 200 países, para ajudar as autoridades de saúde pública a entender melhor a taxa em que as pessoas em todo o mundo estão sentindo sintomas semelhantes aos da COVID e identificar quais regiões devem preparar seus recursos de saúde para um pico. Dado o alcance global desta pesquisa, ela também pode ajudar as autoridades a entender os efeitos econômicos da pandemia. Como resultado, a Universidade de Maryland está divulgando agora novos insights sobre se as pessoas em ocupações diferentes estão preocupadas com suas finanças domésticas e se têm alimento suficiente para comer, bem como se sofreram perda de empregos. Em muitos países ao redor do mundo, vimos as preocupações das pessoas com as finanças domésticas aumentarem junto com o aumento dos casos, sugerindo que, à medida que os efeitos da pandemia na saúde pública aumentam, o impacto econômico que eles têm nas famílias também aumenta.

Os insights econômicos da pesquisa global de sintomas mostram a taxa em que diferentes regiões da Indonésia estão enfrentando insegurança alimentar, no contexto da COVID-19

“À medida que os formuladores de políticas avaliam e respondem às rápidas mudanças nas situações econômicas e de saúde em suas regiões, é importante ter informações sobre como a situação das pessoas em relação à segurança econômica está mudando”, disse a Dra. Frauke Kreuter, diretora do Programa Conjunto em Metodologia de Pesquisa da Universidade de Maryland. “Ter este conjunto de dados com informações diárias é um recurso inestimável para ver o que tem acontecido ao longo do curso da pandemia.”

Novas ondas da Pesquisa Sobre o Futuro das Empresas

Nos últimos seis meses, temos trabalhado com o Banco Mundial e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico para fazer uma pesquisa com pequenas empresas no Facebook mensalmente, para determinar os efeitos da pandemia na situação de sua operação, em seus funcionários e suas necessidades comerciais. Esta semana, lançamos novos resultados no Relatório Global sobre a Situação das Pequenas Empresas, e agora estamos tornando os dados da pesquisa a nível nacional deste relatório disponíveis publicamente.

Essas novas ferramentas se juntam à gama de dados que o Data for Good do Facebook oferece às autoridades de saúde pública para ajudar a combater a COVID-19 em todo o mundo. Esperamos que pesquisadores e organizações sem fins lucrativos possam aproveitar esses novos insights para ajudar as pequenas empresas e comunidades a se recuperarem mais rapidamente dos efeitos econômicos da pandemia e trabalharem para atingir as metas de desenvolvimento sustentável.

Qualquer pessoa pode acessar os dados agregados da Pesquisa de Sintomas e da Pesquisa Sobre o Futuro das Empresas visitando a API da Universidade de Maryland e a Página do Facebook de Humanitarian Data Exchange. Organizações sem fins lucrativos ou acadêmicos interessados em acessar o Tendências de Atividades Econômicas ou o Zonas de Deslocamento podem enviar um e-mail para diseaseprevmaps@fb.com, e interessados nos microdados da Pesquisa Sobre o Futuro das Empresas podem enviar um e-mail para futureofbusiness@fb.com.



Usamos cookies para ajudar a personalizar conteúdo, mensurar anúncios e fornecer uma experiência mais segura. Clicando ou navegando no site, você concorda em permitir a coleta de informações dentro e fora do Facebook por meio de cookies. Saiba mais, inclusive sobre os controles disponíveis: Política de Cookies