Meta

Nosso trabalho abrangente para proteger a eleição de 2020 nos EUA até o dia da posse presidencial

Por Guy Rosen, vice-presidente de Integridade
  • Nossa estratégia abrangente para proteger a eleição de 2020 nos Estados Unidos começou anos antes que o ciclo eleitoral começasse e foi desenhada para durar até o dia da posse presidencial. Isso incluiu implementar algumas medidas temporárias que foram apenas uma pequena fração da nossa ampla estratégia.
  • Expandimos nossas políticas em 2020 para remover milícias de nossos serviços e desde então já banimos mais de 890 movimentos sociais militarizados. Também implementamos regras proibindo o QAnon e grupos de milícia de se organizarem na nossa plataforma.
  • Como em qualquer evento público significativo, o debate sobre os resultados da eleição inevitavelmente apareceriam no Facebook. Mas a responsabilidade pela invasão do Capitólio está naqueles que feriram a lei durante o ataque e em quem os incentivou, e não em como implementamos uma série de medidas que tomamos para proteger a eleição dos EUA.

Muito antes do período eleitoral dos EUA começar no ano passado, esperávamos que a eleição de 2020 seria uma das mais contenciosas da história – e isso foi antes de sabermos que ela aconteceria no meio de uma pandemia. Trabalhamos desde 2016 com investimentos em pessoas, tecnologias, políticas e processos para garantir que estaríamos prontos, e começamos nosso planejamento para a eleição de 2020 com dois anos de antecedência. Construímos nossa estratégia para até o dia da posse em 2021, sabendo que havia uma grande chance de que os resultados das eleições fossem contestados. Então nos planejamos especificamente para esse cenário. Esse planejamento para a eleição foi feito a partir de todo o trabalho de integridade e investimentos que vínhamos fazendo desde 2016.

Isso incluiu:

  • Montar um time global de 35 mil pessoas trabalhando em segurança e integridade. Hoje temos mais de 40 mil pessoas nessas áreas.
  • Incentivando mais pessoas a participar, incluindo ajudando a registrar mais de 4,5 milhões de eleitores nos EUA no ano passado.
  • Ativando nosso Centro de Operações para Eleições, composto por especialistas de diversos times do Facebook para identificar e responder a diferentes ameaças na plataforma – e mantendo ele em funcionamento para a eleição e o período pós-eleição até depois do dia da posse presidencial.
  • Buscando operações encobertas de influência que tentavam interferir na nossa plataforma, similar ao que ocorreu em 2016. Como resultado, derrubamos redes que buscavam audiências nos EUA, incluindo cinco redes de comportamento inautêntico coordenado da Rússia, cinco do Irã, uma da China e cinco originadas nos EUA.
  • Expandindo nossas políticas e investimentos para remover grupos de milícias e para prevenir o QAnon de se organizarem na nossa plataforma.
  • Adotando medidas adicionais para controlar a viralidade de conteúdo potencialmente nocivo. Isso incluiu despriorizar conteúdo que nossos sistemas previram como violentos ou de incitação. Também reduzimos temporariamente a distribuição de conteúdo que nossos sistemas previam ser falsos, pendentes de uma revisão por uma agência de verificação de fatos independente.
  • Eliminando gradualmente modelos de classificação do Feed de Notícias a partir do fim de 2019, que prevemos que a pessoa iria compartilhar e outras pessoas deveriam se engajar. Essas mudanças tinham como foco conteúdo previsto para ser sobre política ou questões sociais e permanecem em vigor até hoje.
  • Proibindo conteúdo de supressão de eleitores – de março de 2020 até o dia da eleição, removemos mais de 265 mil peças de conteúdo do Facebook e Instagram nos EUA por violarem nossas políticas de interferência na votação.
  • Tendo parcerias com verificadores de fatos independentes para nos ajudar a rotular informações incorretas relacionadas a eleições e remover conteúdo que violasse nossas regras.
  • Fornecendo mais transparência sobre a propaganda política na plataforma por meio de nossa Biblioteca de Anúncios para que as pessoas vejam quem está por trás desses anúncios.
  • Exigindo que qualquer um que veicula anúncios sobre política ou questões sociais no Facebook comprove sua identidade e seja autorizado a veicular tais anúncios.
  • Suspendendo novos anúncios políticos e sobre questões sociais durante os sete dias antes da eleição e impedindo que novos anúncios políticos tivessem sua veiculação iniciada nesse período e, em seguida, pausando completamente esses anúncios entre o dia da eleição e a posse presidencial.
  • Criando um Centro de Informações de Votação, o primeiro do tipo, para garantir que as pessoas tivessem informações confiáveis ​​sobre a eleição e como votar. Assim que os resultados saíram, o Centro de Informações de Votação promoveu os resultados eleitorais precisos e mantivemos isso por muito tempo após o dia da eleição.
  • Colocando uma notificação no topo do Facebook e Instagram deixando claro que Joe Biden era projetado vencedor, uma vez que a maioria das projeções independentes compartilhadas nos principais meios de comunicação, incluindo ABC, CBS, Fox, NBC, CNN e AP, apontava Biden como vitorioso.
  • Adicionando rótulos nas postagens sobre votação e eleição, inclusive de políticos, com um link para o Centro de Informações de Votação para que as pessoas tivessem as últimas atualizações sobre a contagem de votos e os resultados. Após a eleição, também aplicamos rótulos com o vencedor projetado nas postagens de todos os candidatos presidenciais com um link para nosso Centro de Informações de Votação para ver mais sobre os resultados da eleição. E adicionamos rótulos ao conteúdo que buscava deturpar o processo de eleição ou a contagem de votos, quando tomamos conhecimento disso, que incluía informações do Bipartisan Policy Center.
  • Implementando uma série de medidas temporárias de produto onde havia riscos específicos de que picos de atividade na plataforma poderiam significar que os muitos sistemas que tínhamos em vigor para aplicar nossas políticas poderiam não ser capazes de acompanhar. Um exemplo inclui a limitação da distribuição de vídeos ao vivo que nossos sistemas previram que poderiam estar relacionados à eleição e a remoção automática de conteúdo potencialmente violador em níveis de confiança mais baixos do que normalmente teríamos, mesmo antes de serem revisados ​​por nossa equipe. Tomamos essas medidas para responder a sinais específicos que víamos na plataforma, como picos no conteúdo denunciado, e desligamos alguns deles de forma responsável e gradual conforme esses sinais voltavam aos níveis anteriores. Também deixamos muitas dessas medidas funcionando no dia da posse. 

Embora esse último ponto seja importante, como você pode ver, foi apenas uma parte de uma série muito mais longa de etapas que tivemos bem antes, durante e depois do dia da eleição. Ao nos prepararmos para a eleição, planejamos vários resultados potenciais e consideramos muitos fatores sociais para compreender e responder à violência.

Essa é uma grande parte da razão pela qual desenvolvemos esses gatilhos de produto adicionais para circunstâncias extraordinárias, medidas para situações de emergência. É também por isso que mantivemos nosso conjunto completo de sistemas, incluindo muitas das medidas de emergência em vigor, bem após o dia da eleição e mesmo após termos visto sinais específicos sobre o arrefecimento de ameaças em potencial e por mais de um mês depois que os principais veículos de notícias projetaram a vitória do agora presidente Joe Biden.

Colocar a culpa sobre o que aconteceu em 6 de janeiro na maneira como implementamos apenas um item da lista acima é um absurdo. Somos uma plataforma de mídia social significativa, então é natural que conteúdo sobre grandes eventos como esse apareça no Facebook. Mas a responsabilidade pela própria insurreição recai diretamente sobre os rebeldes que infringiram a lei e aqueles que os incitaram. Trabalhamos com as autoridades nos dias e semanas após 6 de janeiro com o objetivo de garantir que as informações que ligam os responsáveis ​​por eles aos seus crimes estejam disponíveis. É claro que sempre há lições a serem aprendidas com o trabalho que fazemos para proteger as eleições e responder a ameaças imediatas e desafios de longo prazo. Iremos aplicar essas lições à medida que continuamos fazendo todo esse trabalho.



Usamos cookies para ajudar a personalizar conteúdo, mensurar anúncios e fornecer uma experiência mais segura. Clicando ou navegando no site, você concorda em permitir a coleta de informações dentro e fora do Facebook por meio de cookies. Saiba mais, inclusive sobre os controles disponíveis: Política de Cookies