O que o The Wall Street Journal não compreendeu

Por Nick Clegg, vice-presidente de Assuntos Globais e Comunicação

Muito se falou sobre o Facebook esta semana. Uma série de artigos publicados pelo Wall Street Journal abordou algumas das questões mais difíceis que enfrentamos como empresa: desde moderação de conteúdo e desinformação sobre vacinas até distribuição algorítmica e bem-estar de adolescentes. Essas são questões sérias e complexas e é absolutamente legítimo sermos responsabilizados pela maneira como lidamos com elas. No entanto, essas histórias contêm interpretações deliberadamente incorretas sobre o que estamos tentando fazer e conferem intenções flagrantemente falsas à liderança e aos funcionários do Facebook.

No centro desta série está uma alegação que é simplesmente falsa: que o Facebook conduz pesquisas e as ignora de forma sistemática e intencional caso as descobertas sejam inconvenientes para a empresa. Isso contesta as intenções e o trabalho árduo de milhares de pesquisadores, especialistas em políticas e engenheiros do Facebook, que se esforçam para melhorar a qualidade de nossos produtos e para compreender seu impacto mais amplamente (positivo e negativo). É uma afirmação que só poderia ser feita ao escolher citações seletivas de material vazado de uma forma que apresente questões complexas e cheias de nuances como se houvesse apenas uma resposta correta.

Em qualquer pesquisa, haverá ideias para melhorias que são eficazes para se buscar e ideias em que as contrapartidas frente a outras considerações importantes são piores do que a correção proposta. O fato de que nem toda ideia que um pesquisador levanta é posta em prática não significa que as equipes do Facebook não estão continuamente considerando uma série de melhorias diferentes. Ao mesmo tempo, nenhum desses problemas pode ser resolvido apenas pelas empresas de tecnologia, e é por isso que trabalhamos em estreita parceria com pesquisadores, reguladores, legisladores e outros.

Mas nada desse trabalho colaborativo é beneficiado pela adoção de uma visão deliberadamente distorcida dos fatos. Por exemplo, sugerir que a desinformação de alguma forma superou nossa resposta às questões envolvendo a vacinação contra a COVID-19 ignora o fato mais importante: a hesitação da vacina entre os usuários do Facebook nos EUA diminuiu cerca de 50% desde janeiro. O artigo do WSJ continua discutindo longamente como as publicações pró-vacina são prejudicadas por comentários negativos, mais uma vez ignorando um ponto crucial: que as organizações de saúde continuam postando porque suas próprias medições mostram como suas publicações em nossas plataformas efetivamente promovem vacinas, apesar dos comentários negativos.

Da mesma forma, sugerir que a comunidade acadêmica possui uma visão estabelecida sobre a interseção entre mídia social e bem-estar simplesmente não é factual. A verdade é que as pesquisas sobre os impactos das redes sociais nas pessoas ainda são relativamente incipientes e estão evoluindo, e as próprias plataformas estão mudando rapidamente. Alguns pesquisadores argumentam que precisamos de mais evidências para entender o impacto das redes sociais nas pessoas. Cada estudo tem limitações e ressalvas e, portanto, nenhum individualmente será conclusivo. Precisamos contar com um corpo cada vez maior de pesquisas, diversidade de métodos e contribuições de especialistas.

O que seria realmente preocupante é se o Facebook não fizesse esse tipo de pesquisa em primeiro lugar. A razão de fazermos isso é para segurar um espelho diante de nós mesmos e fazer as perguntas difíceis sobre como as pessoas interagem em escala com as plataformas sociais. Esses são, com frequência, problemas complexos para os quais não há respostas fáceis – apesar do desejo de reduzi-los a uma manchete de jornal chamativa.

O Facebook entende a responsabilidade significativa que advém de operar uma plataforma global. Nós levamos isso a sério e não evitamos o escrutínio e as críticas. Mas, rejeitamos fundamentalmente essa interpretação incorreta de nosso trabalho e a contestação dos motivos da empresa. Gostaria que houvesse respostas fáceis para essas questões e que as escolhas que poderíamos fazer não viessem com contrapartidas difíceis. Esse não é o mundo em que vivemos. Continuaremos a investir em pesquisas sobre essas questões sérias e complexas. Continuaremos a nos fazer as perguntas difíceis. E continuaremos a melhorar nossos produtos e serviços como resultado disso.



Usamos cookies para ajudar a personalizar conteúdo, mensurar anúncios e fornecer uma experiência mais segura. Clicando ou navegando no site, você concorda em permitir a coleta de informações dentro e fora do Facebook por meio de cookies. Saiba mais, inclusive sobre os controles disponíveis: Política de Cookies