Pequenas empresas lideradas por mulheres e minorias são as mais atingidas durante a pandemia

Por Sheryl Sandberg, Chief Operating Officer

Desde o início da pandemia, há mais de um ano, pequenos negócios em todo o mundo têm enfrentado dificuldades. Embora a distribuição das vacinas seja motivo de esperança, nosso último Relatório Global Sobre a Situação das Pequenas Empresas é um lembrete oportuno de que muitas delas ainda estão vulneráveis ​​e precisam de apoio. E os negócios que mais estão sentindo o impacto da pandemia são os liderados por mulheres e minorias – o que vem a ser mais um lembrete de que, sempre que as crises acontecem, são sempre os mais vulneráveis ​​os mais atingidos.

Para este relatório, consultamos mais de 35.000 líderes de pequenas empresas em 27 países e territórios em fevereiro. E o que eles nos contaram não é animador. Quase um quarto (24%) relatou que seus negócios foram fechados, contra 16% em outubro e não muito longe do pico de 29%, quando muitos países estavam na primeira grande onda de COVID-19, em maio do ano passado. Os aumentos mais acentuados no fechamento de pequenas empresas ocorreram na Europa, coincidindo com as recentes medidas de lockdown. As empresas que ainda estão abertas continuam enfrentando vendas menores e 30% delas tiveram que reduzir sua força de trabalho.

Também preocupante é o fato de que pouco mais da metade em operação estava confiante em sua capacidade de continuar operando por pelo menos 6 meses se as circunstâncias atuais persistirem, e uma proporção semelhante disse que também não planejava recontratar funcionários demitidos ou dispensados nesse intervalo de tempo.

Aprendemos por diversas vezes, por meio de nossas pesquisas com pequenas empresas, que as empresas lideradas por mulheres são mais afetadas do que as administradas por homens. Desta vez, eles estavam, em média, com 6 pontos percentuais a mais de chances de terem seus negócios fechados globalmente. As maiores diferenças de gênero ocorreram na Europa e na América Latina e, em alguns casos, elas são realmente nítidas. Em Portugal e na Alemanha, por exemplo, as taxas de fechamento foram de 29 e 28 pontos percentuais mais altas para empresas lideradas por mulheres, respectivamente, e havia uma diferença de 14 pontos percentuais no Brasil e uma diferença de 10 pontos percentuais na Argentina. Globalmente, as pequenas empresas lideradas por mulheres que conseguiram permanecer abertas também apresentaram maior probabilidade de relatar uma queda nas vendas – uma diferença de 4 pontos percentuais no geral, mas de 7 pontos percentuais nos Estados Unidos.

Também ficou claro, desde os primeiros dias da pandemia, que as empresas de negros, asiáticos-americanos e hispânicos foram mais afetadas que a maioria. Nos EUA, mais da metade das empresas lideradas por minorias relataram uma queda nas vendas em comparação com os anos anteriores – 6 pontos percentuais a mais do que outras pequenas empresas. E para muitos essa queda nas vendas foi realmente significativa. Quase dois terços das empresas lideradas por negros e 46% das lideradas por hispânicos, que relataram uma queda nas vendas, disseram que a queda foi superior a 50%.

Se há um lado positivo a ser mencionado, é o de que muitas empresas encontraram sucesso no mundo online. Mais da metade dos entrevistados disse que usou ferramentas digitais para se comunicar com os clientes, e aqueles que relataram aumento na participação em vendas digitais também estavam mais propensos a ter declarado vendas mais robustas em geral.

O Facebook está no negócio das pequenas empresas. Mais de 200 milhões de empresas usam nossos aplicativos todos os meses para criar vitrines virtuais e alcançar clientes – milhões usando nossas ferramentas para ajudar na transição para o mundo online desde o início da pandemia. Quaisquer que sejam os desafios e oportunidades que enfrentarão em 2021 e além, o Facebook continuará a fazer tudo o que puder para ajudar as pequenas empresas a sobreviver e, esperamos, prosperar online.

Você pode ler o Relatório Global Sobre a Situação das Pequenas Empresas na íntegra aqui.



Usamos cookies para ajudar a personalizar conteúdo, mensurar anúncios e fornecer uma experiência mais segura. Clicando ou navegando no site, você concorda em permitir a coleta de informações dentro e fora do Facebook por meio de cookies. Saiba mais, inclusive sobre os controles disponíveis: Política de Cookies