Atualizações sobre nossos esforços para manter as pessoas informadas e limitar a desinformação sobre COVID-19

Por Guy Rosen, vice-presidente de Integridade

Atualizado em 08 de fevereiro de 2021:

Hoje, estamos expandindo nossos esforços para remover falsas alegações no Facebook e Instagram sobre COVID-19, vacinas contra o coronavírus e vacinas em geral durante a pandemia. Desde dezembro, temos removido alegações falsas sobre as vacinas de COVID-19 que já foram desmentidas por especialistas em saúde pública. Hoje, após consultas com as principais organizações de saúde, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estamos expandindo a lista de alegações falsas que removeremos para incluir alegações adicionais já desmentidas sobre COVID-19 e vacinas. Isso inclui alegações como: 

  • COVID-19 foi criado pelo ser humano ou fabricado
  • Vacinas não são eficazes na prevenção da doença contra a qual se destinam a proteger
  • É mais seguro pegar a doença do que tomar a vacina
  • Vacinas são tóxicas, perigosas ou causam autismo

A lista completa de alegações está disponível aqui, e nós já proibimos essas alegações em anúncios. Essas novas políticas nos ajudarão a continuar tomando medidas agressivas contra a desinformação sobre COVID-19 e vacinas.

Começaremos a aplicar esta política imediatamente, com foco particular em Páginas, Grupos e contas que violam essas regras, e continuaremos a expandir nossa aplicação de medidas nas próximas semanas. Grupos, Páginas e contas no Facebook e Instagram que repetidamente compartilham essas alegações já desmentidas poderão ser removidas por completo. Também vamos passar a requerer que alguns administradores de Grupos com administradores ou membros que violaram nossas políticas sobre COVID-19 passem a aprovar temporariamente todas as publicações do seu Grupo. As alegações sobre COVID-19 ou vacinas que não violam essas políticas ainda estarão elegíveis para revisão de nossos parceiros de verificação de fatos, e se forem classificadas como falsas, serão rotuladas e terão sua distribuição reduzida.

Por fim, continuamos melhorando os resultados da Busca em nossas plataformas. Quando as pessoas pesquisam por vacinas ou conteúdo sobre COVID-19 no Facebook, promovemos resultados relevantes e oficiais e fornecemos recursos de terceiros para conectar as pessoas a informações confiáveis sobre vacinas. No Instagram, além de apresentar resultados oficiais na Pesquisa, nas próximas semanas tornaremos mais difícil encontrar na pesquisa contas que desencorajam as pessoas a serem vacinadas.

Conforme ressaltamos, no mês passado, em resposta à orientação do Comitê de Supervisão, estamos comprometidos em fornecer mais transparência em torno dessas políticas. Você pode ler as atualizações detalhadas nos Padrões da Comunidade do Facebook e em nossa Central de Ajuda. Conforme a situação evolui, continuaremos analisando o conteúdo em nossa plataforma, avaliando as tendências de linguagem e engajando com especialistas para obter orientação sobre políticas adicionais para manter as pessoas seguras durante esta crise.


Atualizado em 12 de maio de 2020: Durante o mês de abril, exibimos avisos em cerca de 50 milhões de conteúdos relacionadas ao COVID-19 no Facebook, com base em cerca de 7.500 artigos dos nossos parceiros independentes de verificação de fatos.

Desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o COVID-19 uma emergência global de saúde pública em janeiro, temos trabalhado para conectar pessoas a informações precisas de especialistas em saúde e impedir que a desinformação sobre o coronavírus se espalhe em nossos aplicativos.

Até agora, direcionamos mais de 2 bilhões de pessoas a recursos da OMS e de outras autoridades de saúde por meio da nossa Central de Informações sobre o COVID-19 e pop-ups no Facebook e Instagram, com mais de 350 milhões de pessoas clicando para saber mais.

Mas conectar pessoas a informações confiáveis é apenas uma parte do desafio. Deter a disseminação de desinformação e conteúdo prejudicial sobre o COVID-19 em nossos aplicativos também é extremamente importante. É por isso que trabalhamos com mais de 60 organizações de verificação de fatos que revisam e classificam conteúdos em mais de 50 idiomas ao redor do mundo. No mês passado, continuamos a expandir nosso programa para adicionar mais parceiros e idiomas. Desde o início de março, adicionamos oito novos parceiros e expandimos nossa cobertura para mais de uma dúzia de novos países. Por exemplo, adicionamos a MyGoPen em Taiwan, a AFP e a dpa na Holanda, e a Reuters no Reino Unido.

Para apoiar ainda mais o trabalho de nossos parceiros de verificação de fatos durante esse período, recentemente anunciamos a primeira rodada de apoio do nosso programa de US$1 milhão em parceria com a International Fact-Checking Network (IFCN). Investimos em 13 organizações de verificação de fatos em todo o mundo para apoiar projetos no Brasil, Itália, Espanha, Colômbia, Índia, República do Congo e outros países. Anunciaremos outros beneficiários nas próximas semanas.

Uma vez que um conteúdo é classificado como falso pelos verificadores de fatos, reduzimos sua distribuição e exibimos marcações de aviso com mais contexto. Com base em uma verificação de fatos, podemos iniciar métodos de detecção para identificar conteúdos similares. Por exemplo, durante março, exibimos avisos sobre cerca de 40 milhões de postagens no Facebook, com base em cerca de 4 mil conteúdos checados por nossos parceiros independentes de verificação de fatos. Quando as pessoas veem essas marcações de aviso, em cerca de 95% das vezes elas não vão conferir o conteúdo original.

Além disso, removemos centenas de milhares de conteúdos com desinformação que poderia ter levado a danos físicos no mundo real. Exemplos de desinformação que excluímos incluem alegações perigosas de que beber água sanitária cura o vírus e teorias como a de que o distanciamento social não funciona para prevenir a disseminação do vírus.

Hoje, estamos compartilhando algumas medidas adicionais que estamos tomando para combater a desinformação relacionada ao COVID-19 e garantir que as pessoas tenham as informações precisas necessárias para que permaneçam em segurança.

Informando pessoas que interagiram com alegações nocivas sobre o COVID-19

Estamos começando a mostrar mensagens no Feed de Notícias para pessoas que curtiram, reagiram ou comentaram posts com informações falsas nocivas sobre o COVID-19 que removemos desde então. Essas mensagens conectarão as pessoas aos mitos sobre o COVID-19 desmascarados pela OMS que removemos de nossa plataforma pelo risco de causarem danos físicos iminentes. Queremos permitir que as pessoas que interagiram com esses conteúdos saibam a verdade de uma fonte autorizada e estejam avisadas caso vejam ou escutem essas alegações novamente fora do Facebook. As pessoas começarão a ver essas mensagens nas próximas semanas.

Facilitando para as pessoas conhecerem os fatos

Para tornar mais fácil para que as pessoas encontrem informações precisas sobre o COVID-19, recentemente adicionamos uma nova seção, chamada Conheça os Fatos, em nossa Central de Informações sobre o COVID-19. Ela inclui artigos de verificação de fatos de nossos parceiros nos Estados Unidos que desmascaram informações erradas sobre o coronavírus. Os artigos de verificação de fatos são selecionados por nosso time de curadoria de notícias e atualizados toda semana. No momento, essa nova seção está disponível nos EUA. Em breve, incluiremos essa seção no Facebook News, também nos EUA.

À medida que essa pandemia evolui, continuaremos focando em maneiras mais eficazes de manter as informações falsas e fraudes nocivas sobre COVID-19 fora de nossos aplicativos e em garantir que as pessoas tenham informações de credibilidade de especialistas em saúde para que se mantenham seguras e informadas.



Usamos cookies para ajudar a personalizar conteúdo, mensurar anúncios e fornecer uma experiência mais segura. Clicando ou navegando no site, você concorda em permitir a coleta de informações dentro e fora do Facebook por meio de cookies. Saiba mais, inclusive sobre os controles disponíveis: Política de Cookies