Por Nathaniel Gleicher, Diretor de Políticas de Cibersegurança 

Hoje, removemos quatro redes separadas de contas, Páginas e Grupos por estarem envolvidas em comportamento inautêntico coordenado no Facebook e no Instagram. Três delas tinham origem no Irã e uma na Rússia, tendo como alvo diferentes regiões do mundo: Estados Unidos, norte da África e América Latina. Todas essas operações criaram redes de contas para enganar os outros sobre quem eles eram e o que estavam fazendo. Compartilhamos informações sobre nossas descobertas com autoridades, legisladores e parceiros da indústria.

Trabalhamos constantemente para detectar e interromper esse tipo de atividade, pois não queremos que nossos serviços sejam usados para manipular pessoas. Estamos removendo essas Páginas, Grupos e contas com base no comportamento, e não no conteúdo que postaram. Em cada um dos casos, as pessoas por trás dessa atividade se coordenaram e usaram contas falsas para se esconder, e essa foi a base para nossa ação.

Estamos fazendo progressos para eliminar esse tipo de abuso, mas trata-se de um desafio contínuo. Estamos comprometidos em melhorar continuamente para seguir à frente. Isso significa desenvolver uma tecnologia melhor, contratar mais pessoas e trabalhar mais próximo de autoridades, especialistas em segurança e outras empresas.

O que descobrimos até agora

Hoje, removemos 93 contas do Facebook, 17 Páginas e quatro contas do Instagram por violar nossa política contra comportamentos inautênticos coordenados. Essa atividade teve origem no Irã e tinha como alvo principalmente os EUA, e algumas regiões de língua francesa no norte da África. Os indivíduos por trás dessa atividade usaram contas falsas e comprometidas – algumas das quais já haviam sido desativadas por nossos sistemas automatizados – para se passar por pessoas locais, gerenciar Páginas, ingressar em Grupos e levar pessoas a sites fora da plataforma conectados à nossa investigação anterior sobre a “Liberty Front Press” vinculada ao Irã e sua remoção em agosto de 2018. Os administradores de Páginas e os donos das contas geralmente publicavam notícias políticas e geopolíticas locais, incluindo tópicos sobre figuras públicas norte-americanas, política nos EUA e em Israel, apoio à Palestina e conflito no Iêmen.

  • Presença no Facebook e no Instagram: 93 contas do Facebook, 17 Páginas e 4 contas do Instagram;
  • Seguidores: cerca de 7.700 contas seguiam uma ou mais dessas Páginas no Facebook e cerca de 145 pessoas seguiam uma ou mais dessas contas no Instagram;

Nós descobrimos esta atividade como parte de nossa investigação interna sobre suspeitas de comportamento inautêntico coordenado relacionado ao Irã.

A seguir um exemplo do conteúdo publicado por algumas dessas Páginas:

Nós também removemos 38 contas do Facebook, 6 Páginas, 4 Grupos e 10 contas do Instagram com origem no Irã e com foco em países da América Latina, incluindo Venezuela, Brasil, Argentina, Bolívia, Peru, Equador e México. Os administradores das Páginas e os donos das contas geralmente se apresentavam como locais, usando contas falsas para postar em Grupos e gerenciar Páginas que se passavam por organizações de notícias, além de direcionar tráfego para site fora da plataforma. Eles geralmente republicavam notícias dos veículos do governo iraniano sobre assuntos como Hezbollah, o conflito entre o Irã e a Arábia Saudita, tensões entre Israel e Palestina, tensões entre EUA e Irã, guerra no Iêmen, assim como conteúdos especialmente produzidos para um país específico, com notícias locais, sobre geopolítica e figuras públicas.

  • Presença no Facebook e Instagram: 38 contas do Facebook, 6 Páginas, 4 Grupos e 10 contas do Instagram
  • Seguidores: Cerca de 13,5 mil contas seguiam uma ou mais dessas Páginas no Facebook, aproximadamente 4,2 mil contas entraram em pelo menos um desses Grupos e cerca de 60 mil pessoas seguiam uma ou mais dessas contas do Instagram.

Descobrimos esta atividade como parte das nossas investigações internas sobre suspeitas de comportamento inautêntico coordenado relacionado ao Irã que removemos em agosto de 2018.

A seguir um exemplo do conteúdo publicado por algumas dessas Páginas:

Além disso, removemos uma pequena rede com quatro contas do Facebook, três Páginas e sete contas do Instagram com origem no Irã e focadas principalmente nos EUA. Os indivíduos por trás dessa atividade se passaram como locais e usaram contas falsas para gerenciar Páginas e um aplicativo, e também para direcionar as pessoas para um site fora da plataforma. Em vez de publicar diretamente em uma de suas Páginas, eles usaram o aplicativo cujo único objetivo parecia ser enviar conteúdo para uma Página chamada BLMNews, que se disfarçava como uma entidade de notícias. Os administradores de Páginas e os donos de contas geralmente publicavam sobre questões políticas, incluindo tópicos como relações raciais nos EUA, críticas à política dos EUA e de Israel sobre o Irã, movimento Black Lives Matter, cultura afro-americana e política externa iraniana.

  • Presença no Facebook e Instagram: 4 contas do Facebook, 3 Páginas e 7 contas no Instagram;
  • Seguidores: Cerca de 45 contas seguiam uma ou mais dessas Páginas e cerca de 7,3 mil pessoas seguiam uma ou mais dessas contas no Instagram;
  • Publicidade: Menos de US$2 foram gastos em propaganda no Facebook, pagos em dólares americanos.

Nós identificamos esta atividade como parte de nossa investigação interna sobre suspeitas de comportamento inautêntico coordenado, que estava ligada a algumas das redes que removemos em agosto de 2018 e em maio de 2019

Abaixo estão alguns exemplos de conteúdos publicados por algumas dessas Páginas:

Por fim, removemos 50 contas do Instagram e uma conta no Facebook originárias da Rússia e focadas principalmente nos EUA. Essa campanha mostrou alguns links para a Internet Research Agency (IRA) e tinha características de uma operação bem financiada que tomou medidas consistentes de segurança operacional para ocultar sua identidade e localização. Como vimos antes, isso parece ter dificultado o desenvolvimento de muitas dessas contas entre comunidades autênticas. As pessoas por trás dessa atividade usavam contas falsas – algumas das quais foram detectadas e desativadas anteriormente por nossos sistemas automatizados por serem inautênticas e envolvidas em spam. Essas contas seguiram, curtiram e ocasionalmente comentaram as publicações de outras pessoas para aumentar o engajamento com seu próprio conteúdo. Elas reutilizaram principalmente conteúdos compartilhados em serviços de internet por terceiros, incluindo capturas de tela de publicações de mídia social feitas por organizações de notícias e figuras públicas. Uma pequena parte dessas contas também reaproveitou e modificou memes antigos postados originalmente pelo IRA. As pessoas por trás dessa operação costumavam publicar sobre os dois lados de questões políticas, incluindo tópicos como eleições nos EUA, questões ambientais, tensões raciais, questões LGBTQ, candidatos políticos, conservadorismo e liberalismo. Essas pessoas também mantiveram contas apresentando-se como locais em alguns Estados americanos decisivos no processo eleitoral ​​e se identificaram como conservadores ou progressistas.

  • Presença no Facebook e Instagram: 50 contas do Instagram e uma conta do Facebook;
  • Seguidores: cerca de 246 mil contas seguiram uma ou mais dessas contas no Instagram (cerca de 60% delas estavam nos EUA).

Nós detectamos esta atividade como parte de nossa revisão contínua de suspeita de comportamento inautêntico coordenado antes das eleições nos EUA. Compartilhamos nossas informações com os parceiros da indústria, formuladores de políticas públicas e autoridades, e continuaremos trabalhando com outras pessoas para encontrar e remover esse tipo de comportamento.

Abaixo está uma amostra do conteúdo publicado por algumas dessas contas: